Passeios de fim de semana – Uma tarde no Museu Municipal de Loures

Apesar do calor que se fez sentir, este sábado não fomos à praia, rumámos até Loures, para mais “Uma tarde no museu, que se realiza ao 3º sábado do mês.

Desta vez, sob o tema Cabo Verde.

cabo verde

Para além de podermos observar as peças em exposição também podemos degustar “Kitutes”, especialidades doces e salgadas, assistir a um workshop de cuscuz e assistir ao toque dos batuques.

Foi uma tarde em cheio!

Anúncios

Ammaia

Esta cidade romana, localiza-se no parque natural da Serra de S. Mamede, Concelho do Marvão e é sem dúvida um local que vale a pena visitar.

Ainda com muito trabalho para fazer podemos observar as termas do Fórum, o Fórum e o Templo e as torres da porta sul.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

No museu muito do espólio encontrado durante as escavações está disponível para ser usufruído por todos.

 

Ammaia

 

Museu Nacional de Arte Antiga

Desengane-se aquele que possa pensar que este museu se visita numa só manhã.

Gratuito aos domingos e feriados até às 14h00, para cidadãos residentes em território nacional, este museu tem muito para ver. Desde pintura, passando pela iluminura, escultura e tapeçaria, até ao mobiliário, os amantes de arte e não só, ficarão presos horas a fio contemplando estas fantásticas obras.

paineis S. Vicente

Os painéis de S. Vicente, é uma daquelas obras que tem dado “água pelas barbas”, com variadíssimas  interpretações dos autores que a têm estudado.

S. Vicente surge duas vezes ou em dois painéis, aqui também surge a figura do Infante D. Henrique, figuras ligadas com a igreja, cavaleiros e outras da sociedade da época, num total de 58.

 

Explícita – Nus e outras cenas…

amores profanos

 

MNAA2

E digam lá se eu não ficava tão bem vestida como esta gentil senhora?

Fundão – Telhado

Nesta pequena aldeia do Fundão, fui descobrir um museu muito interessante…

DCIM100MEDIA

Sedeado num edifício bastante interessante, antigo palacete, este espaço mostra-nos a história da olaria e de todos aqueles que fizeram desta a sua profissão.

Vale a pena visitar!

Alentejo – Évora

Évora… já todos ouvimos falar de Évora, na verdade fazia parte das visitas pelo país que todos costumavamos fazer em crianças com a escola. Na altura visitavamos a Capela dos Ossos e podiamos observar o Templo de Diana, bem lá no alto…

Templo Romano (de Diana)

Hoje falo-vos de outros locais ricamente repletos de história que também podemos visitar nesta cidade Alentejana.

O museu de Évora localiza-se no antigo Paço Epicospal e a sua fachada não deixa transparecer as marvilhas que permanecem no seu interior.

Museu de évora - Retábulo

Retábulo da Sé

museu de Évora - sarcófago

Sarcófago de Fernão Gonçalves Cogominho

A Sé Catedral é outro dos monumentos que merece a nossa visita. Classificada como monumento nacional, diz-se ser a maior catedral medieval do nosso país.

Sé Catedral

 

Sé Catedral

 

Diário de Bordo – OUTONO com sabor a VERÃO!

Não há dúvida que este outono ainda a saber a verão,  nos dá vontade de continuar a passear e sobretudo a ir até à praia. Neste verão optei pelo culto do Sol, afinal este Astro Rei é fundamental para a nossa sobrevivência, nossa e de todos os outros seres vivos.

A praia tem estado magnifica, calma, com pouca confusão, a temperatura amena e o mar não repleto de gente que se atropela para se banhar, mas repleto de barcos e de gaivotas.

praia cascais

 

E na quarta feira, o Sol depois de nos banhar com o seu sabor morno, deu lugar à sua companheira, com a qual sempre se cruza mas que nunca fica junto. O céu tomou as cores vermelha, laranja e roxa e a fantástica Lua brindou-nos ao final do dia com o seu tamanho “Cheio”, acompanhando-nos durante todo o caminho de regresso a casa.

lua

 

Diário de Bordo – agosto 2017.

25 de agosto de 2017.

Mais uns dias para descansar a alma tinham chegado, rumámos em direção ao Fundão, a paisagem era vibrante até que chegámos à região de Abrantes, o verde de outrora estava transformado em negro e cinza e no ar o cheiro a queimado permanecia. algum tempo depois o céu  deixou de estar azul e tornou-se cinza e ao longe um helicóptero de combate a incêndios passava.

Por momentos senti-me perdida , ao pensar naquele fogo ali tão perto,  senti o que era estar no meio de uma estrada, no meio do nada sem um porto seguro.

Semanas mais tarde, na zona da Covilhã e Fundão tudo o que ainda se mantinha verde, ardeu. A floresta, os terrenos agrícolas, as árvores de fruto e com eles tantas memórias daqueles que já não se encontram entre nós.  Mas esses entes queridos jamais sairão das nossas vidas, enquanto por cá andarmos.

Rita

DCIM100MEDIA

 

 

 

 

Previous Older Entries